11 de setembro de 2017

#Amazonia

A maior restauração florestal na Amazônia

O Projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia (ASL – Amazon Sustainable Landscapes) é uma iniciativa aprovada pelo Fundo Global do Meio Ambiente/GEF (Global Environment Facility) criada para proteger a biodiversidade que é importante globalmente e implementar políticas para promover o uso sustentável da terra e a restauração da vegetação nativa no Brasil, Colômbia e Peru. O Banco Mundial é a agência implementadora do programa, apresentando como diretriz principal a visão integrada do bioma amazônico, de modo a promover sua conectividade entre os três países integrantes.

No Brasil, o projeto é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e tem como executores a Conservação Internacional (CI-Brasil) e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). O projeto no Brasil está alinhado com os objetivos estratégicos do GEF de melhorar a sustentabilidade dos sistemas de áreas protegidas, reduzir as ameaças à biodiversidade, recuperar áreas degradadas, aumentar o estoque de carbono, desenvolver boas práticas de manejo florestal e fortalecer políticas e planos voltados à conservação e recuperação dos ecossistemas no bioma amazônico. O investimento previsto para os seis anos de duração do projeto no Brasil em sua primeira fase é de 60 milhões de dólares aportados pelo GEF mais 373 milhões de dólares em co-financiamento de outras fontes.

Dentre os principais objetivos do projeto no Brasil, será conduzida pela CI-Brasil a maior restauração florestal na Amazônia, cobrindo uma área de 28 mil hectares, o equivalente a 70 milhões de árvores. Com isso, haverá um aumento dessas áreas de florestas globalmente relevantes, conectando áreas protegidas e promovendo o desenvolvimento de arranjos produtivos locais, estimulando a economia da região, além das cadeias de valor derivados do uso sustentável da biodiversidade amazônica, inclusive o setor de produção de sementes e mudas de espécies nativas.

Complementarmente às iniciativas de restauração ambiental, o projeto apoiará, por meio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), a criação de novas áreas protegidas e consolidação das áreas protegidas já existentes, criando mecanismos para sustentabilidade financeira a longo prazo dessas áreas. Ao todo, 63 milhões de hectares serão protegidas neste componente do projeto.

Comunicação e restauração florestal

O Amazonia Live é o projeto socioambiental do Rock in Rio, em parceria com a CI, o Funbio e o Instituto Socioambiental (ISA), tem como objetivo ser uma plataforma de comunicação sobre a natureza que restaura florestas.

Em seu lançamento, em abril de 2016, o Rock in Rio se comprometeu a restaurar 1 milhão de árvores nas cabeceiras do rio Xingu e em seguida contou também com o match da CI-Brasil, que se comprometeu a restaurar outros um milhão de árvores na mesma região. O Funbio vem operando os recursos financeiros do projeto e o ISA executa em campo as ações de restauração no Xingu.

O Ministério do Meio Ambiente, por meio da Secretaria de Biodiversidade e Florestas, também aderiu ao projeto, em 2016, assumindo o compromisso de contribuir com a recuperação de áreas na Amazônia com mais um milhão de árvores em áreas protegidas no bioma amazônico.

Até o momento, o Amazonia Live já garantiu mais de 3 milhões de árvores através dessas parcerias. Outras contribuições, como as doações do público durante as vendas de ingressos do Rock in Rio 2017, garantiram ainda outras milhares de árvores, totalizando uma área de 1.600 hectares na floresta amazônica.

A iniciativa trabalha com um racional de que o mix de técnicas de recuperação (plantio direto, semeadura de sementes, enriquecimento, condução ou favorecimento da regenaração natural e outras) tem como resultado uma densidade média de 2.500 árvores por cada hectare. Esses valores são suportados pelo monitoramento de áreas já restauradas pelo ISA e pela literatura disponível.

O Projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia é a mais nova parceria do Amazonia Live, promovendo a ampliação do compromisso de restauração em larga escala – saltando de 1 milhão para 70 milhões de árvores – e, com isso, será possível atingir a marca de 73 milhões de árvores a serem restauradas na Amazônia nos próximos anos. É o maior projeto de restauração florestal da região.

Unindo esforços em prol da restauração florestal na Amazônia

Juntas, as ações de restauração florestal asseguradas pelo Rock in Rio, CI-Brasil e demais parceiros através do Amazonia Live e pelo Ministério do Meio Ambiente, Banco Mundial, GEF e CI-Brasil no âmbito do GEF ASL, somam o maior esforço de restauração florestal já feito na região da Amazônia. A operação de restauração das mais de 73 milhões de árvores na Amazônia brasileira, o equivalente a 29.200 hectares, deve ser somente o início.

“Temos a oportunidade de unir nossos esforços de restauração florestal em uma plataforma de comunicação única e robusta para que a importância do nosso trabalho chegue a mais pessoas, amplificando não só o diálogo sobre a natureza como também o impacto das ações de restauração florestal no campo através de um maior engajamento da sociedade”, disse Rodrigo Medeiros, Vice Presidente da CI-Brasil.

Assim, está lançado o desafio para duplicar a quantidade de árvores a serem restauradas como parte da estratégia de alavancagem da iniciativa. O objetivo é mostrar que apesar do crescimento da adesão, ainda é preciso fazer muito mais para que o Brasil possa cumprir as metas assumidas na agenda da restauração florestal, seja na Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Acordo de Paris, seja no Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa (PLANAVEG) do Ministério do Meio Ambiente. A meta é atingir essa duplicação (quase 150 milhões de árvores) nos próximos seis anos, que é o tempo de duração do projeto GEF ASL e também o compromisso do Rock in Rio com as próximas três edições do festival no Brasil, além das edições realizadas em Lisboa e nos EUA.

Espera-se que a partir do engajamento e mobilização do Amazonia Live, setor privado, indivíduos, celebridades, fundações, multilaterais e outros governos possam aderir à iniciativa, fazendo crescer essa bola de neve pela restauração na amazônia. Esta convocação à sociedade se apresenta como uma contribuição efetiva do Brasil para enfrentar as mudanças climáticas.

A missão do Amazonia Live é estabelecer um diálogo com todas as pessoas sobre o cuidado com o nosso planeta e mostrar que todos – pessoas, governos e empresas – somos responsáveis por fazer a diferença em prol de um futuro mais saudável e sustentável.

A plataforma Amazonia Live é beneficiada pela expertise do Rock in Rio em dialogar com milhões de pessoas de uma forma inovadora e impactante e por sua rede de influência que possibilita que a mensagem da natureza seja amplificada. Na edição 2017 do festival são esperadas mais de 700 mil pessoas na Cidade do Rock e outras milhões de pessoas impactadas por meio online e televisivo.

Cidade do Rock:  700 mil pessoas são esperadas para os sete dias de festival em 2017.

Como resultado dessa iniciativa, espera-se uma sociedade mais consciente e engajada no desafio de restaurar florestas na Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da região e para o atendimento das metas nacionais de restauração florestal.

Leilão Por Um Mundo Melhor

Para amplificar ainda mais a mensagem da importância de restaurar a floresta através dos artistas do festival, o Rock in Rio lançou um leilão beneficente online onde todos os valores arrecadados serão revertidos para o Amazonia Live. Na plataforma é possível dar lances por guitarras autografadas, obras de arte, um Harley Davidson customizadas e até itens usados pelos artistas nos shows do festival. Saiba mais clicando aqui.

 

Curta o projeto no Facebook